Acessibilidade logo

Acessibilidade

bat-papo

Fale com a Prefeitura

  • *Campos obrigatórios
  • Ao iniciar um contato, você concorda com a Política de privacidade

  • ...Ou se preferir

  • Ligue para nós

    Fixo: (77) 3452-4306

  • Ou seja atendido presencialmente

    Segunda à sexta-feira, das 08:00 às 12:00/ 14:00 às 18:00

    Praça Henrique Pereira Donato, 90 Centro

  • Outros meios de contato

Em conformidade com:

Secretaria de Cultura
Vice-prefeito Nal e secretário de Cultura de Guanambi participam de cortejo no Dia da Consciência Negra
22/11/2021

O tradicional cortejo promovido pelo Grupo Afromalêko no Dia da Consciência Negra, neste sábado (20), contou com participação do vice-prefeito Arnaldo Azevedo (Nal) e do secretário de Cultura Victor Boa Sorte, que desfilaram por todo o trajeto, tocando instrumentos sob a regência do mestre Elias Gomes.

 

O cortejo partiu da Rua Ana Neri no Bairro Monte Pascoal arrastando uma multidão até a apoteose na Avenida Santos Dumont e Praça do Feijão. O Vice-prefeito participou pela primeira vez da festa e empolgado demonstrou suas habilidades de percussionista. “Para mim foi uma grande alegria participar deste momento que marca a luta contra a discriminação racial. Somos todos iguais por que a cor da pele não faz ninguém melhor ou pior”, disse Nal.

 

Muita história no dia da Consciência Negra

 

A Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer foi apoiadora principal do evento. A comissão organizadora é formada pelos irmãos Elias Gomes e Marcos Gomes (Lola), Jefter Santana (Jéu), Fátima Brito, Reginaldo Lopes (Pretinho) e Victor Boa Sorte. Há quinze anos o desfile de manifestação pelo dia da Consciência Negra é realizado ininterruptamente, porém, o movimento foi realizado pela primeira vez em 2001.”Conhecemos a valorizamos a cultura afro e não poderia deixar de participar e colaborar com este belíssimo evento”, disse Victor.

 

Camisetas (abadás) do Grupo Afromalêko também foram vendidas para custear despesas de manutenção e realização da atividade. Todos os participantes são voluntários, músicos e alunos do mestre Elias. A denominação Afromalêko na língua Iorubá significa Anjo Negro e os organizadores buscam transformar o grupo numa ONG sem fins lucrativos para assistir crianças carentes.

 



Autor: Assessoria de Comunicação